terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

proparóxi-poetando

ânimos
plácidos

sólidos
flácidos

mágicos
místicos

tônicos
fálicos

plásticos
úmidos

tímidos
cálidos

sílabas
átonas

bêbados
trágicos

óperas
bélicas

lapsos
tácitos

na metrópole cínica
não há pássaros
não há música
e meu cérebro ávido capta
proparoxítonas típicas

entre sinapses míticas
e memórias elípticas
lágrimas lívidas
nas páginas vívidas

6 comentários:

  1. Escrevi um poema composto só de proparoxítonas, um soneto para uma atividade da Oficina. Lembro que a opinião geral dos colegas foi a seguinte: um emparelhamento de palavras que não têm muita ligação entre si.

    Este poema é bem mais interessante que o meu, porque se auto-fundamenta, o que é permitido por sua estrutura livre.

    Quanto à metáfora: é da opinião da autora que um poema não precisa necessariamente ser nem ambíguo, nem metafórico. Bão... a minha opinião é que precisa sim. Um texto poético sem um ritmo (isso não significa métrica... não é a mesma coisa) e sem metáfora está à beira do texto informativo. No caso deste poema aqui, há um metáfora, e uma interessante - uma metáfora metalinguística: as proparoxítonas.

    Bem ao estilo da Marcia, brincar com o idioma, no caso, com o léxico, é um bom recurso. Arriscado, mas um bom recurso. Quando se lança mão do léxico, nos arriscamos a, por um lado, erigirmos uma metáfora muuuuito fugidia; por outro, podemos não dizer absolutamente nada. Aqui, o que "resgatou" a metáfora foi a penúltima estrofe.

    E, sim, temos uma metáfora (a urbanidade pouco salubre, a existência humana enquanto ser urbano) e temos um ritmo (solene, melancólico). Portanto, temos um texto poético.

    Good.

    ResponderExcluir
  2. Magnífico jogo com as tais proparoxítonas estimulam composíções lúdicas.
    Belo exercício.
    A cidade é ácida, cíclica.
    A cidade é palavra.
    Gostei bastante

    ResponderExcluir
  3. Sinceramente..acho que a Marcia poetisa é insuperável, gosto do jogo e das imagens compondo um crescente.
    As poesias são musicais e ganham cores.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Brincar com as palavras já é um jogo difícil - e pra poucos! Fazer isso sem perder a beleza e principalmente a 'poesia' que, pra mim é sentimento (não me importa o que dizem os livros)- é algo ainda mais difícil - e tu fez!
    Não sei se eu faria... (risos) É admirável! Parabéns

    ResponderExcluir
  6. Para não dizer palavras repetidas;
    Bravo!

    ResponderExcluir